sábado, 12 de abril de 2008

Para refletir...



O índio

Eu ouço falar de tua raça
como se tua inteligência
fosse inexistente,
como se fosses
um animal
movido apenas
pelo espírito
da sobrevivência!

Eu ouço falar e não creio
que tu, meu antepassado,
não tenhas ao menos
onde morar;
que tenham te roubado
as terras e matas,
teu céu, tuas lendas,
a dignidade, a tradição,
o orgulho, o brio,
até teu Deus!

Esqueceram-se,
os brancos,
de enxergar
o vestígio de índio
que todos nós,
brasileiros,
carregamos
como um carma
no sangue!

Negam sua cor,
seu passado,
se envergonham
de si mesmos,
como se esconder
a carne dos ossos
fosse possível!

Raça pura
de brancos canibais,
afastados da ingenuidade
e da pureza de espírito!
Quero de volta
as matas, os rios,
meu pacifismo genético
de índio!

Thaty Marcondes

1 comentário:

Ivanise disse...

Oi, Marcilia!
Lindo poema!!! Traz nele a mensagem, muitas vezes esquecida, que os colonizadores tomaram as terras desses povos que aqui viviam...
Beijinhos,
Ivanise :)